segunda-feira, janeiro 08, 2007

Ler os outros

Call yourself a critic? - uma reflexão sobre os efeitos dos comentários dos leitores às críticas colocadas no blog dos colaboradores do The Guardian;

The greatest story ever told - o dramaturgo inglês Mark Ravenhill questiona o fim das grandes peças religiosas;

Rests in pieces - um elucidativo ensaio que lança o debates sobre a ontologia da performance e as suas implicações na noção de arquivo no mundo da dança (em francês);

La danse, le corps, l’inconscient - o filósofo José Gil reflecte as relações entre movimento e consciência (em francês);

«Electre» est Jane B. - no Libération fala-se de Electra, a peça interpretada por Jane Birkin que já foi criticada neste blog.

Um intelectual contra o império - o escritor Gore Vidal dá uma entrevista ao jornal brasileiro Estado de São Paulo a propósito do seu 2º volume biográfico Point to Point Navigation;


Nota: ainda há alguns bilhetes para as ante-estreias do filme BODY RICE, dia 09 em Lisboa e dia 10 no Porto. Ver como consegui-lo aqui.

7 comentários:

Anónimo disse...

Isto é um pouco as escolhas do professor marcelo que diz ler 50 livros (na integra) por semana...

Tiago disse...

ai é? então porquê?

Anónimo disse...

Mas afinal de contas quantas pessoas estúpidas é que vizitam este blog? Quantas pessoas tão idiotas como este anónimo se interessam por artes performativas?

Pedro

Rui Rebelo disse...

ó Tiago,

deveria intreditar os comentários anónimos. Eu sei que isso tiraria interesse à discussão, mas assim é muito desagradável e por vezes o nível baixa bastante impossibilitanto a discussão produtiva.

continuação de um bom trabalho. Aguardo espectante pela revista.

Francisco Frazão disse...

Concordo com o Rui, o anonimato contribui para tornar as caixas de comentários inabitáveis.
Ainda por cima estes anónimos misturam-se todos. Não digo que seja preciso código postal, mas ao menos uma aparência de identidade: nem que seja "anónimo 1", "anónimo 2"...

Rui Rebelo disse...

EXACTAMENTE! Viva Francisco há que tempos.
é que nem sequer sabemos que anónimo é que escreveu o quê.
pelo menos que se diferenciem uns dos outros.

Anónimo disse...

viva o anonimato.
se nos tiram daqui isto perdo o interesse. O Tiago gosta.