domingo, maio 15, 2005

Pergunta de domingo

É possível estabelecer uma relação de poderes entre quem penetra e quem é penetrado? Quem penetra tem mais poder sobre quem é penetrado?

5 comentários:

Major Tom disse...

sobre isso a igreja e outras instâncias têm criado vários mitos que têm 'penetrado' no senso comum. o mais comum é a crença de que quem penetra é 'activo' e o penetrado 'passivo' na relação. ora, ou eu sou muito estranho, ou então isso não tem nada a ver com o que se passa realmente na cama (pelo menos nas camas onde tenho andado...). o poder é algo que se joga. se eu o empresto a alguém, isso significa também que sou eu que comando as regras.

astianax disse...

O poder não é tomado, o poder é cedido. Sim, acho que se pode estabelecer uma relação de poderes. mas não, quem penetra não tem poder sobre que é penetrado. (as coisas que se aprendem com um filme porno!)

Morgana disse...

Infelizmente em qualquer aspecto relacional, a todos os níveis, há a tendência para os jogos de poder, de domínio sobre o outro.
Mas numa relação, seja de que tipo fôr, há uma fronteira muito ténue entre o dominador e o dominado. Se há um dominador é porque existe alguém que se deixa dominar. Por outro lado, se exerces o controlo e és o manipulador, até que ponto não estás a ser controlado? _ isto porque há alguém que te mantém preso nessa situação e te obriga a concentrar a tua atenção nela. Então, quem tem, de facto, o poder?

Mas estamos a falar de simples relações de phoder ou de relações amorosas?
Quanto ao segundo caso, questiono-me sobre a razão pela qual se empregam termos bélicos, de poder e de posse que são, na essência, o seu oposto tais como "conquistar", "lutar por","ele(a) é meu(minha)", que têm a ver com a imposição da própria vontade e satifação egoístas.

Tal como a vejo, uma relação tem de ser consensual e livre; de respeito pelo espaço e a liberdade do outro e dos seus próprios. O importante é a partilha, o desejo de (se) partilhar, de (se) dar, uma troca de igual para igual, uma relação biunívoca.
A questão do poder não se põe, não faz sentido.
Recordo-me de uma cena do filme "The Paradine Case", de A.Hitchcock: "...I don't owe him. I just love him...".
Mas enfim, provavelmente sou anormal...

Anónimo disse...

Olá, meu anjo.
O Tiago é um doce de pessoa, apetece-me dizê-lo.

Permites-me um comentário "cruzado"?
Olá, Morgana. Perdoem-me a intromissão. Quero que saibas que subscrevo inteiramente o que disseste. No entanto, o teu comentário parece-me um pouco... como direi?... "out of order"...(?)

Antónia disse...

O comentário anterior é meu.
Ciao.